VOLTAR A ARTIGOS

Losing Trick Count

apresentação de uma ferramenta de avaliação

Nota introdutória

O L.T.C., abreviatura porque é conhecida o método em análise, é uma ferramenta de leilão dos anos 30. Surgiu em 1935, pelas mãos de Dudley Courtenay e G.G.J. Walshe. Mais recentemente, Ron Klinger publicou uma nova versão, adaptando-o à realidade do bridge de competição. Muitos jogadores já ouviram falar mas, surpreendentemente, muito poucos o dominam.

Em Portugal o método começou a ser estudado, recentemente, por alguns jogadores. Embora sendo uma ferramenta de simples aplicação e de extraordinária eficácia em mãos desbalançadas, nem assim tem merecido um olhar atento dos especialistas.

O objectivo deste artigo é deixar aos leitores as dicas básicas para o uso do método, que pode e deve ser um importante complemento na avaliação de mãos. A leitura do artigo não é, por si só, suficiente para um completo domínio do método. Para quem pretenda aprofundar o assunto de forma mais detalhada, aconselhamos a leitura do livro de Ron Klinger ou a frequência de um módulo dos cursos da Escola, especialmente dedicado ao assunto.

COMO AVALIAR?

Abre alguma das mãos seguintes, vulnerável?

 I

O
U
 II
32
R2
ARV73
9752
74
D9
RV74
RD942

As mãos foram jogadas num Simultâneo de pares organizado pela E.B.L. Nos comentários anexos, da autoria de jogadores de renome, era referido que se considerava normal abrir a mão I em 1 e impensável abrir a mão II. Como é possível uma tal disparidade de opiniões em mãos aparentemente semelhantes - 11 pontos e um naipe de 5 cartas ?

Vamos servir-nos do L.T.C. para encontrar algumas pistas.

CONTANDO PERDENTES

O método é muito simples: conta-se uma perdente por cada honra principal em falta (A, R ou D). Existe um total de 3 perdentes por naipe, logo um máximo de 12 perdentes em cada mão. Obviamente, num naipe não pode contabilizar mais perdentes que o número de cartas que possui. Assim: x-x-x; x-x-x-x; x-x-x-x-x são exemplos de 3 perdentes, A-x-x; R-x-x; D-x são exemplos de 2 perdentes, x; A-x; R-x; R; A-R-x-x-x são exemplos de 1 perdente (deve ser considerado também como 1 perdente combinações com A-V-10), A; A-R; A-R-D ou chicane, são exemplos de 0 perdentes.

 ESTE  OESTE
A32
RD432
R3
752
74
A985
AD874
D3

No exemplo acima, Oeste abre em 1 e Este responde 1. Depois do fit, Este está em condições de anunciar a partida em copas. O parceiro abriu e limitou a abertura à zona mínima (6-7 perdentes de acordo com o L.T.C.). Com as 7 perdentes da sua mão, o campo está limitado a 14 perdentes, num total de 24. Subtraindo os dois valores obtem-se o número de vazas prováveis para o campo.

NOTA IMPORTANTE:
Há que realçar que ter 7 perdentes é uma, mas apenas uma das condições para se ter abertura. O L.T.C. não substitui nenhum dos métodos de avaliação existentes, nomeadamente a contagem de pontos. Outro factor importante é a existência de 2 vazas defensivas. Em resumo, a existência ou não de abertura está condicionada às seguintes condições:

  • 12+H
  • 2+ vazas defensivas
  • 7 ou menos perdentes

É imprescindível garantir que se verificam, pelo menos, duas destas condições, sendo uma delas a existência de duas vazas defensivas. Assim:

 I  II  III
A32
A432
A32
752
RD543
RD654
4
43
D2
A832
DV32
R32

No caso I, apesar das 9 perdentes, deve abrir porque tem 3 vazas defensivas e 12H. No caso II, apesar de ter menos pontos H que os habitualmente necessários para abrir, deve fazê-lo por que tem 2 vazas defensivas (R-D; R-D) e menos de 7 perdentes. Já no caso III, apesar dos 12 pontos, mas com mais de 7 perdentes e menos de 2 vazas defensivas, a atitude correcta é passar.

Voltando agora às duas primeiras mãos apresentadas, ambas têm 11 pontos e 7 perdentes mas, enquanto a mão I, tem 2 1/2 vazas defensivas, a mão II tem apenas 1 1/2 vaza defensiva. Logo, deve abrir a mão I e passar na mão II.

TOPO DA PÁGINA

OS BONS PONTOS

Tal como qualquer outro método de avaliação, o L.T.C. requer bom senso. Obviamente que D-x-x não tem o mesmo potencial que A-x-x, pelo que alguns ajustamentos são necessários. Desta forma D-?-? é avaliado como duas perdentes quando:

  • A mão tem um Ás lateral.
  • Na combinação D-V-x
  • Quando D-x-x é num naipe anunciado pelo parceiro.
 ESTE
DV2
A432
D32
752

Este tem 9 perdentes, uma vez que a D é acompanhada do V e para a D existe um Ás lateral. Se substituirmos o A pelo R, a mão passa a ter 10 perdentes (mais uma em oiros), a menos que o naipe de oiros seja marcado pelo parceiro.

Uma perdente pode, por vezes, ser subtraída em casos especiais. Uma mão rica em ases, por exemplo, ou com um bom suporte em trunfo ou quando é conhecido o bom posicionamento de algumas honras. Os ajustes na contagem de perdentes não podem, no entanto, ser superiores a 1 vaza, para cada mão.

TOPO DA PÁGINA

ABERTURAS E RESPOSTAS

ESTE
2
A9532
AR102
AV7

Depois de abrir em 1 e o parceiro ter apoiado em 2 o que marca?

A regra é abrir mãos com 7 ou menos perdentes (sem esquecer as outras condicionantes) e responder à abertura do parceiro com 9 ou menos perdentes. Com 9 perdentes dará uma resposta mínima - mudança de naipe ao nível 1 ou apoio simples.

No nosso exemplo, Este tem 6 perdentes mas, em virtude dos 3 ases, deve deduzir uma perdente. Desta forma, sabendo que o parceiro tem, no máximo, 9 perdentes para justificar o seu apoio simples, deve marcar directamente a partida.

Vamos ver alguns exemplos do ponto de vista do respondente, após abertura em 1:

 ESTE(1)  ESTE(2)  ESTE(3)  ESTE(4)
543
R432
32
R432
543
RV32
2
R5432
2
RD7632
432
D32
A2
RV32
D43
R542
9 perdentes
2
8 perdentes
3
7 perdentes
4
7 perdentes
2

No bridge actual é comum utilizar o apoio em duplo salto do exemplo 3, para mostrar mãos muito fitadas, com 7 perdentes, mas sem valores defensivos. Assim sendo, na mão do exemplo 4, deverá começar por uma mudança de naipe, manifestando o fit na volta seguinte.

Da mesma forma, com:

 ESTE
RD43
A9532
A92
7

Após a abertura em 1 existe potencial de cheleme. Uma perdente deve ser deduzida face ao excelente apoio a trunfo e ao número de controlos pelo que, com 5 perdentes em frente a uma abertura, mesmo que mínima, deve tentar o cheleme, começando por marcar 2

TOPO DA PÁGINA

O L.T.C. E AS MÃOS BALANÇADAS

O método não tem grande utilidade em mãos balançadas. Mesmo assim, as perdentes esperadas em mãos balançadas serão, para a zona de 15-17:

 ESTE(1)  ESTE(2)  ESTE(3)
AD3
RD2
AV4
10432
DV10
A92
AD765
R5
AD92
RD2
A32
R32
7 perdentes 6 perdentes 6 perdentes

Como se pode verificar, as mãos de 15-17 com 4-3-3-3 têm, normalmente, 7 perdentes. As 6 perdentes estão quase sempre associadas a mãos de 4-4-3-2 ou 5-3-3-2, na mesma zona de pontuação.

Com a adesão de cada vez maior número de jogadores ao ST fraco, aqui ficam também alguns exemplos para mãos balançadas de 12-14.

 ESTE(1)  ESTE(2)  ESTE(3)
RV63
D92
A94
R32
V10
A942
RV5
R865
R2
A762
RD2
10974

 8 perdentes

 8 perdentes

 7 perdentes

Tal como no caso do ST forte, as distribuições 4-3-3-3 nesta zona de pontuação têm, quase sempre, 8 perdentes enquanto que as distribuições 4-4-3-2 ou 5-3-3-2, mesmo na zona mínima, têm tendência para ter apenas 7 perdentes.

TOPO DA PÁGINA

O REBIDE DO ABRIDOR

Atente nos seguintes exemplos:

 ESTE(1)
RD43
AR43
V32
R4

Abriu em 1 e o parceiro respondeu 1. O que marca?

Com 17DH e 6 perdentes, o rebide do abridor será, certamente, 3

 ESTE(2)
RD43
AR8543
32
4

Abriu em 1 e o parceiro respondeu 1. O que marca?

Com 15DH mas apenas 5 perdentes, o rebide do abridor será 4. Podemos concluir que, encontrado o fit, a contagem de perdentes permite-lhe ter uma ideia mais exacta do potencial da mão.

TOPO DA PÁGINA

AS INVERSAS

Uma inversa define-se como um rebide do abridor num naipe de ranking superior ao naipe de abertura, com mudança de nível, i.e.:

1 - 1 - 2;

1 - 1 - 2;

1 - 2 - 3;

1 - 2 - 3;

 ESTE(1)  ESTE(2)  ESTE(3)
D3
RD92
RD1094
A2
32
AR942
R5
AD65
RD762
2
AD2
RV74
Abrir em 1
Sobre 1 rebidar 2
Abrir em 1
Sobre 2 rebidar 3
Abrir em 1
Sobre 2 rebidar 3

TOPO DA PÁGINA

OS TRICOLORES

Os autores do método, Courtenay e Walshe alertavam para o facto de, num contrato trunfado, o declarante necessitar de ter trunfos suficientes para destrunfar e para efectuar os cortes em naipes curtos. Casos há em que, mesmo com 5 ou mais trunfos, o declarante tem dificuldades para executar estas operações. Mas o grande risco surge em jogos com fit 4-4. Na versão original do método era mesmo aconselhado adicionar 1 perdente a mãos tricolores 4-4-4-1. Com efeito, a experiência mostra que estas mãos são difíceis, quer no carteio, quer no leilão. Assim, com:

 ESTE
R543
2
RDV2
A943

Deve contar 7 e não 6 perdentes. Deve evitar abrir mãos 4-4-4-1 com qualquer mão mais fraca que a apresentada.

TOPO DA PÁGINA

ABERTURAS DE BARRAGEM

Exceptuando casos pontuais de aberturas em 3ª posição e vulnerabilidade favorável, as aberturas ao nível 3, em barragem, devem corresponder a mãos com 7 perdentes (não vulnerável) ou 6 perdentes (vulnerável). Isto para além das condições já conhecidas, como seja a necessidade de se possuir um bom naipe e de não existirem valores com potencial defensivo. Daí resulta que o respondente, salvo situações em que pretenda prolongar a barragem do parceiro, não deve continuar com o leilão a menos que possua uma abertura.

ABERTURAS EM 2 FRACO

As aberturas fracas em naipe ao nível 2 ou o equivalente 2 multicolor são cada vez mais populares, normalmente utilizadas na zona dos 6-11 pontos, com 6 cartas em naipe rico. Com menos uma carta no naipe comprido, estas aberturas têm, quase sempre, mais uma perdente que as aberturas ao nível 3 (esta é uma razão fundamental para não se abrir em 2 fraco com 7 cartas no naipe). Mãos há, com 9-10H e 6 cartas num rico que têm apenas 6 perdentes. Nestes casos, deve abrir ao nível 1 e não em barragem, mesmo nos casos em que não existam 2 vazas defensivas.

TOPO DA PÁGINA

ABERTURAS EM 2 FORTE OU EM FORCING DE PARTIDA

As aberturas em 2 forte ou em 2 forte indeterminado para quem joga 2/ fracas, são mãos com 8 vazas de jogo, com 16-22H e não mais de 4 perdentes (as mãos balançadas 22-23, normalmente incluídas neste "pacote" de aberturas, podem ter 5 perdentes).

As aberturas forcing de partida correspondem a mãos com 8 ou mais vazas de jogo com, pelo menos, 5 vazas rápidas, 23+H e, no máximo, 4 perdentes.

TOPO DA PÁGINA

ALGUNS COMENTÁRIOS SOBRE O L.T.C.


ESTE
-
R982
AD1062
DV103

Após ter aberto em 1 e o parceiro ter respondido 1 qual é o seu rebide? Este exemplo é bem ilustrativo das virtudes e das fraquezas do L.T.C. Através do processo de contagem de pontos irá rebidar 3. Contando perdentes e partindo do princípio que o parceiro tem, no máximo, 9 perdentes irá marcar 4. Nalguns casos a decisão dará bom resultado, noutros casos nem por isso. O parceiro pode ter:

 OESTE(1)  OESTE(2)
9763
AD73
V94
92
AV85
D743
V94
92

No caso 1 poderá mesmo ser o único par do torneio a marcar a excelente partida, no caso 2, as hipóteses de sucesso são muito remotas, pelo que um mau resultado é quase certo. O L.T.C. é uma ferramenta muito útil para aferir do potencial de mãos fitadas, não balançadas mas esse potencial nem sempre se traduz em resultados práticos. Afinal, em tudo semelhante a qualquer outro método de avaliação, pelo que deve utilizar-se o L.T.C. em complemento com os restantes métodos conhecidos. Lembramos que são factores favoráveis ao L.T.C. a distribuição e a existência de valores no ou nos naipes do parceiro. Quando tal não se verifica, aconselha-se uma atitude mais conservadora.

TOPO DA PÁGINA

O L.T.C. APÓS ABERTURA ADVERSÁRIA

Em caso de abertura pelos adversários temos:

  • O dobre de chamada pode ser feito com mãos de 7 ou menos perdentes, desde que cumpram as condições standard de distribuição.
  • Uma marcação específica que force o leilão para o nível 3 (por exemplo, o anúncio de um bicolor) não deve ser feito com mais de 5 perdentes.
  • Uma intervenção simples ao nível 1 pode ter até 8 perdentes. Uma intervenção ao nível 2 deve ter, no máximo, 7 perdentes.
  • Uma intervenção em salto deve ter 5 ou menos perdentes.

Está concluída a apresentação do L.T.C. Como já foi referido, a leitura deste artigo está longe de esgotar o assunto. Com ele apenas pretendemos chamar a atenção para um método que, se bem aplicado, pode contribuir para uma melhoria significativa da sua capacidade de avaliação de mãos e referir os tópicos principais do método. Caso tenha alguma questão relacionada não hesite em contactar-nos.

TOPO DA PÁGINA